Avaliação no terceiro setor: o que a prática me ensinou?

By on 11/05/2018

De  uns anos para cá, tenho convivido com  organizações do terceiro setor, e tenho sofrido com elas os incômodos provocados pelo ideal da avaliação de impacto herdado do setor público, e pelo ideal da avaliação do ‘retorno econômico’ herdado do setor privado. A meu ver, são ideais desconectados da realidade dessas organizações, sobretudo no caso do Brasil.

Defendo que os projetos sociais conduzidos pelas organizações do terceiro setor devem ter uma lógica própria de avaliação, e não buscarem se guiar pela metodologia de avaliação de impacto adotada pelo setor público para seus programas sociais. O ponto é que os complexos métodos estatísticos de pesquisa experimental e o rigor científico, tidos como pré-requisitos essenciais nas avaliações de impacto dos programas sociais do setor público, são incompatíveis com o modo de funcionamento e a disponibilidade de recursos, tanto financeiros como humanos, da quase totalidade das organizações sociais. (Há um padrão ideal para avaliar o impacto social no terceiro setor?)

Também defendo que não se deve buscar importar do setor privado os seus métodos objetivos de avaliação, baseados no fluxo de caixa entre receitas e despesas. Isso porque, nos  projetos sociais, diferente dos projetos econômicos, há que se proceder antes à monetização do impacto social, o que é metodologicamente complexo em termos estatísticos e financeiros  e, mesmo assim, ainda fica sujeito às fragilidades dos muitos pressupostos que se fazem necessários para viabilizar a desejada estimativa do custo-benefício. Assim, de muito pouco adianta se chegar a um número preciso do retorno econômico (R$ gerados para cada R$ 1,00 investido), tão ao gosto do setor empresarial, se a sua imprecisão, ou margem de erro, for muito grande. (Retorno econômico de projetos sociais corporativos: limites da avaliação)

O fato de não seguir a cartilha da pesquisa experimental e/ou do retorno econômico não quer significar que os projetos sociais das organizações filantrópicas não tenham compromisso com a efetividade (ou eficácia) e a eficiência de suas ações. Muito ao contrário! O que tenho procurado enfatizar é que os projetos sociais das organizações do terceiro setor devem ter compromisso, sim, com a promoção da mudança social, e ao menor custo possível. Não serem ação caritativa e de benemerência. E que o papel da avaliação é justamente o de ser um instrumento útil e confiável para orientar o projeto nessa direção.  Deve ter um caráter direto de ferramenta de gestão; de instrumento de aprendizagem; falar a linguagem da organização e interagir com as equipes do projeto; deve ter métodos simples, sem ser simplórios ou “ingênuos”; e deve ter custo compatível com o tamanho do investimento social realizado.

A partir do trabalho de monitoria que desenvolvi com algumas organizações parceiras do programa da POS/FDC (Parceria com Organizações Sociais / Fundação Dom Cabral) entre 2011-2016, tornou-se clara a necessidade de um modelo de avaliação social para as organizações filantrópicas, condizente com as suas especificidades.  Passamos, então, a trilhar esse caminho da construção de um modelo de avaliação social para o terceiro setor, começando por identificar alguns pontos centrais nessa agenda: (Avaliação de projetos sociais no terceiro setor: uma agenda em construção)

 

TAGS
RELATED POSTS

LEAVE A COMMENT

MARIA CECÍLIA PRATES RODRIGUES
Rio de Janeiro - Brasil

Maria Cecília é economista e mestre em economia pela UFMG, e doutora em administração pela FGV /Ebape (RJ). A área social sempre foi o foco de suas pesquisas durante o período em que esteve como pesquisadora na FGV , e depois em seus trabalhos de monitoria, consultoria, pesquisa e voluntariado.