Ecossistema das Iniciativas Sociais no Brasil

Por on 15/07/2021

O livro acabou de sair do forno. Ele surge do meu blog, a partir da seleção e organização das várias reflexões e aprendizados que fui fazendo, entre 2016  e 2020,  sobre o chamado “ecossistema” das iniciativas sociais no Brasil. Sem dúvida, estamos vivendo um período de grandes mudanças e desafios, tal a diversidade de atores e arranjos que estão se configurando.

Ficarei feliz se o livro puder contribuir para a atuação das pessoas envolvidas – ou por se envolverem – com as iniciativas sociais no Brasil, seja como gestoras (de empresas ou de organizações do terceiro setor), avaliadoras, financiadoras ou filantropas.

O livro está constituído por quatro (4) grandes partes, e cada uma delas abriga os capítulos (ou artigos) segundo alguns temas. Veja a seguir.


SUMÁRIO:

PARTE I – TERCEIRO SETOR
Tendências
– Terceiro Setor no Brasil: é hora de enfrentar as mudanças!
– Para onde vai o Terceiro Setor?
Gestão
– Por que uma iniciativa social não deslancha?
– Terceiro Setor: os 10 requisitos para uma organização COMEÇAR bem
– Terceiro Setor: quais os ingredientes para uma organização sólida?
– Mapa das OSCs: a organização deve entrar com os seus dados nesse Portal?
– Vamos deixar a Covid matar as OSCs?
– Sistema de gestão para OSCs pequenas: o que é melhor?
– Doações para OSCs: por confiança ou por projeto?

PARTE II – PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO TERCEIRO SETOR
Condição fundamental: ouvir sempre o público-alvo
– Projetos sociais: não sabemos ouvir as comunidades
– Fazer o bem, porém SEMPRE olhar a quem!
– Projetos sociais: o foco deve ser sempre nos mais vulneráveis?
– Engajamento da comunidade e medição de resultados: dinâmicas incompatíveis?
– Engajamento com a comunidade: o passo a passo
Relação entre o avaliador e os gestores
– Na avaliação do projeto social, qual a relação entre avaliadores e gestores?
– Na avaliação do projeto social, a quem cabe a coordenação
Como avaliar?
– Avaliação compartilhada: uma prática que pode valer a pena
– Até que ponto a organização precisa medir os seus impactos sociais?
– Projeto social eficaz: nem branco nem preto!
– Avaliação no Terceiro Setor: o que a prática me ensinou?
– Avaliação do Terceiro Setor: o que organizações think-tanks dos EUA e Reino Unido me ensinaram?
– Medir apenas o que é relevante
– Teoria da mudança: quais são os 10 passos?
– Medir impacto social: com rigor, mas bom senso
Cuidados para uma boa Avaliação
– Marco lógico: valioso, mas é preciso ser bem construído
– Avaliação de resultados na proporção correta
– Avaliação social afogada em números
– Você é capaz de perceber quando a eficiência mata a eficácia?
– Dez motivos para não MEDIR impacto – e o que fazer no lugar
– Desconstruindo 4 mitos da medição no setor social
– Como calcular o valor do investimento de impacto – Os métodos monetários são os mais adequados?
– Para que precisamos medir tanto?
– Você sabe identificar um BOM Monitoramento & Avaliação?
– Avaliação: há um novo padrão-ouro?


PARTE III – FILANTROPIA
Entendendo as nuances e os riscos da filantropia
– Será que devemos mesmo estimular a filantropia no Brasil?
– O fardo dos filantropos
– Filantropia fora dos trilhos
– Filantropia sob fogo cruzado
– Religião e Filantropia: qual a relação?
– O paradoxo das doações do Vale do Silício: como evitar no Brasil?
– Fortalecimento da Filantropia: um alerta às Universidades
Filantropia corporativa
– Filantropia corporativa: o debate continua
Filantropia das famílias
– Como é difícil DOAR no Brasil!
– Fundos patrimoniais vão mudar a cultura da doação no Brasil?
– Escolher uma ONG com credibilidade é fácil no Brasil?
– Um milionário deveria se envergonhar de morrer rico
– Riqueza e filantropia, de 1889 a 2019: o que mudou?
– Boa notícia: Institutos e fundações familiares desabrochando
– Fundos Patrimoniais Filantrópicos: questões para debate
– Filantropia Familiar: experiências inspiradoras

PARTE IV – EMPRESAS E ATUAÇÃO SOCIAL
As diferentes terminologias
– Empresa consciente e Empresa socialmente responsável: houve avanço?
– Investimento de impacto: apenas uma nova terminologia?
– Negócios de impacto ou Empresas responsáveis: qual é o estágio mais avançado?
– Empresa com propósito: como desanuviar a cortina de fumaça?
– Empresa Com Impacto: o discurso e a prática
– Critérios ESG – mais um modismo?
– Organizações de impacto: entendendo conceitos e práticas
Casos e questionamentos
– Inclusão de pessoas com deficiência: o tamanho do desafio
– Dilema da ética corporativa: o caso Inhotim
– Risco de injustiças no combate à corrupção corporativa
– (Des)propósito: os casos Vale e Heineken
– Empresário filantropo ou Empresa sustentável – qual importa mais?
– A sustentabilidade corporativa irá sobreviver à Covid-19?
– JBS e Sustentabilidade: há coerência de comportamentos?
– Sustentabilidade: será que agora é pra valer?
– Quando os critérios ESG podem prejudicar
Avaliação
– Sete dicas para mensurar um programa em Responsabilidade Social
– Avaliação nas Empresas Com Impacto: o que muda agora?
Finanças Sociais
– Devem as Fundações e Institutos financiar (também) os negócios de impacto?
– Como financiar as iniciativas sociais?
– Blended Finance e Filantropia: boa combinação, mas com cautela


NotaO livro (formato impresso ou kindle) pode ser adquirido na Amazon, Clube de Autores, dentre outras plataformas.

TAGS
POSTS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

MARIA CECÍLIA PRATES RODRIGUES
Rio de Janeiro - Brasil

Maria Cecília é economista e mestre em economia pela UFMG, e doutora em administração pela FGV /Ebape (RJ). A área social sempre foi o foco de suas pesquisas durante o período em que esteve como pesquisadora na FGV , e depois em seus trabalhos de monitoria, consultoria, pesquisa e voluntariado.

EnglishPortugueseSpanish
EnglishPortugueseSpanish