Sri Lanka e Projetos de Sustentabilidade: lições aprendidas

Por on 03/08/2022

A experiência recente do Sri Lanka é ilustrativa sobre o que NÃO se deve fazer em nome da Sustentabilidade. Não se questiona o fato de o conceito de Sustentabilidade estar intrinsicamente associado a valores positivos de ética, preservação do meio ambiente cuidados com as pessoas. No entanto, não quer isso significar que em nome da Sustentabilidade todas as iniciativas serão bem-sucedidas.

O caso do Sri Lanka

O Sri Lanka é um país pequeno, com aproximadamente 22 milhões de habitantes, constituído por uma ilha (do tamanho do estado da Paraíba) que fica ao sul da Índia. De maioria budista (mais de 70%), foi colônia do Reino Unido até 1948, e tem histórico de convivência com  guerras civis internas. A economia do país é baseada na exportação de produtos primários, como grafite, produtos têxteis, chá, coco e borracha.

O presidente Gotabaya Rajapaksa, oriundo de uma poderosa dinastia política, foi eleito em 2019 com a promessa de revolucionar a produção agrícola. De fato, em abril de 2021, ele proibiu a importação de fertilizantes químicos, usados por 90% dos agricultores locais.

Em seu discurso na COP 26 (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas) realizada em novembro de 2021 em Glasgow (Escócia), o presidente Rajapaksa foi enfático em afirmar que a “sustentabilidade está no centro de nossa estrutura política nacional”. Orgulhoso, ele destacou que o “Sri Lanka havia restringido recentemente as importações de fertilizantes químicos, pesticidas e herbicidas devido a preocupações com a saúde pública, contaminação da água, degradação do solo e impactos na biodiversidade. Apesar de ter batido de frente contra lobbies entrincheirados, conseguiu criar oportunidades para inovação e investimento em agricultura orgânica que será mais saudável e sustentável no futuro”.

Em tese, parecia ser uma boa estratégia sob a ótica da sustentabilidade, além de buscar valorizar os produtos do país no mercado internacional ( já que boa parte dos consumidores de alta renda está disposta a pagar mais por alimentos sem agrotóxicos). Na realidade acabou sendo um tremendo desastre econômico e social para o país.

O papel dos fertilizantes no Sri Lanka

Por volta de 1960 a “revolução verde” no Sri Lanka e em outros países em desenvolvimento teve como foco o combate à desnutrição. Assim graças ao uso de novas variedades, de técnicas modernas de cultivo e da intensificação do uso de nutrientes químicos (fertilizantes) foi possível ampliar a escala de produção de alimentos no país.

O governo teve que entrar com subsídios para viabilizar a importação dos fertilizantes,  já que o grosso dos agricultores não teria como arcar com essa despesa. Vale lembrar que o Sri Lanka depende dos seus pequenos agricultores para cerca de 80% do suprimento nacional de alimentos.

Foi assim que o país se tornou autossuficiente, não só em arroz (alimento básico da população), mas também em  vegetais, frutas tropicais, coco e ovos. Porém, com o tempo, começaram a surgir relatos de doenças atribuídas à presença dos produtos químicos presentes nos fertilizantes e pesticidas.

O desastre

Com o banimento abrupto dos fertilizantes químicos no ano passado, a agricultura do Sri Lanka perdeu produtividade, e a produção de arroz despencou. Os pequenos agricultores foram os mais penalizados. De exportador do produto, o Sri Lanka se viu forçado a importar arroz. Na produção de chá, mercadoria importante de que o Sri Lanka era o quarto maior produtor mundial, a queda foi de 25% só nos seis meses após o anúncio da medida. As culturas de milho e coco também sofreram redução de produtividade.

A agravar essa situação é que o “timing” para essa política de agricultura 100% orgânica foi o pior possível, haja vista que a pandemia e a guerra da Ucrânia já estavam, per si,  afetando o país em termos de inflação e do desabastecimento de combustíveis.

Para especialistas, “o governo foi rápido em proibir os fertilizantes químicos, mas não pensou no que fazer para substituí-los. ….. Não há capacidade suficiente no país – a agricultura orgânica tem um rendimento menor, por isso seria preciso mais terra para cultivar a mesma quantidade de produtos. Em uma pequena nação insular como o Sri Lanka, não há terra suficiente para produzir tanto esterco ou para atingir a produção que pode ser alcançada com fertilizantes sintéticos.   ….. Também (naquele momento) não havia nenhum marco regulatório para indicar quais tipos de fertilizantes orgânicos usar e quais eram seguros, nem orientações técnicas ou assessoria sobre que tipo de práticas aplicar….. A proibição também significou o fim do subsídio aos fertilizantes no exato momento em que os preços mundiais (deles) estavam subindo”.

O caso do Sri Lanka mostrou  que há uma tênue fronteira entre a fome e a produção sustentável. Vimos que a principal consequência daquela proibição abrupta no uso de fertilizantes e pesticidas  no país foi trazer de volta  a fome, com a disparada nos preços dos alimentos e a falta dos alimentos básicos. O governo se viu obrigado a importar produtos como arroz, cuja produção era autossuficiente com excedente exportável. ….. apesar dos preços em alta, muitos produtores rurais não conseguiam continuar plantando, devido aos custos exorbitantes de produção e as perdas de safra.  

Revoltados com essa situação de crise generalizada, em julho último manifestantes invadiram a residência do presidente Rajapaksa, que se viu obrigado a fugir às pressas do país para depois renunciar (14.07.2022).

Lições aprendidas

O que essa experiência do Sri Lanka deixou claro é que, para uma iniciativa de sustentabilidade  (de um país, ou território ou de uma empresa)  ser bem-sucedida, NÃO basta a boa intenção compatível com princípios de sustentabilidade.

De boas intenções, o inferno está cheio. Quer isso dizer que nem todo projeto de sustentabilidade terá necessariamente eficácia (positiva) de resultados, no sentido de contribuir para os conhecidos 3 P`s da Sustentabilidade – “People, Planet and Profit” (Pessoas, Planeta e Produção/Lucratividade). Se não for bem conduzido / executado, as chances de ter eficácia negativa de resultados se tornam significativas, e aí as consequências (sociais, ambientais e econômicas) podem ser desastrosas como bem ilustrou esse caso do Sri Lanka. Antes não tivesse feito nada.

Daí porque os passos para um bom planejamento, execução e avaliação do projeto se tornam imprescindíveis para que um projeto de sustentabilidade possa alcançar os resultados pretendidos, tais como:

  • Ter clareza das características do contexto a ser trabalhado, com suas potencialidades, dificuldades e fragilidades. Muitas vezes, conhecida como diagnóstico inicial ou avaliação de marco zero. Etapa de extrema importância, porém muitas vezes negligenciada como foi esse caso do Sri Lanka.
  • Tangibilizar a “boa intenção” em objetivos claros de resultados – de longo prazo ou impacto; e os objetivos específicos de médio/ curto prazo.
  • Ter clareza da “teoria da mudança” (ou da estratégia) a ser seguida, explicitando a lógica causal esperada  entre os objetivos de resultado e os objetivos de processo.
  • Estabelecer os objetivos de processo para as ações a serem executadas.
  • Definir indicadores de monitoramento (processo) e de avaliação (resultados) com as suas respectivas metas.
  • Monitorar permanentemente a execução do projeto, fazendo sempre os ajustes necessários – seja no modo da execução, seja no próprio plano em si.

Se esses passos  tivessem sido seguidos, muito provavelmente o projeto de agricultura orgânica do Sri Lanka não teria sido esse desastre que foi.

Figura do post: https://www.flickr.com/photos/iwmi/6213356311

TAGS
POSTS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

MARIA CECÍLIA PRATES RODRIGUES
Rio de Janeiro - Brasil

Maria Cecília é economista e mestre em economia pela UFMG, e doutora em administração pela FGV /Ebape (RJ). A área social sempre foi o foco de suas pesquisas durante o período em que esteve como pesquisadora na FGV , e depois em seus trabalhos de monitoria, consultoria, pesquisa e voluntariado.

EnglishPortugueseSpanish
EnglishPortugueseSpanish