Terceiro setor: quais os ingredientes para uma organização sólida?

Por on 29/01/2020

Hoje fui visitar uma organização do terceiro setor que atua no Rio de Janeiro, no campo da educação para “crianças de 3 a 11 anos de idade, de famílias de baixa renda e moradoras de áreas de conflito das favelas da zona sul (área nobre) da cidade”. O  ponto a destacar é que a organização foi criada nos idos da década de 1940 e, nesses quase 80 anos, atravessou todos os momentos de ascensão, crise e transformação do país, do estado e, particularmente do terceiro setor. Hoje a organização segue sólida, dando um atendimento de horário integral a 200 crianças em situação de vulnerabilidade, e com qualidade comparável às melhores escolas de ensino particular da cidade.

Fui recebida por uma entusiasmada gestora institucional, há cinco anos nessa nova função. Segundo ela, conhece todos os detalhes da organização, por já ter atuado em todas as suas frentes desde muitos anos.

Como essa organização conseguiu seguir firme nesses anos todos, ir se adaptando frente às dificuldades surgidas, e ampliando e aprofundando o  seu trabalho social?

Dessa nossa conversa, pude identificar quais foram, a seu ver, os pré-requisitos fundamentais e garantidores da sustentabilidade dessa organização. Sistematizei ao todo 11 ingredientes. Vamos a eles:

1. Gestão. A competência do gestor(es) principal(is) é a condição primordial e sine qua non. A organização tem que ter à frente uma pessoa sonhadora, sim, mas também pragmática e com competência em gestão. Pelo que pude perceber, essa foi uma característica comum às 3 gerações de líderes que se sucederam na organização.

O líder tem que sonhar e agir sempre para além do seu tempo – ser “visionário”. Nesse sentido, um exemplo interessante é que, quando o prédio da organização foi construído por meio de ação caritativa de algumas famílias no final da década 1940, foi também construído outro prédio do lado para gerar renda (aluguel) para o trabalho social.

2. Parcerias. Uma extensa rede de parceiros comprometidos – os benfeitores. Pelo que pude perceber, lá os relacionamentos foram sendo construídos aos poucos, a partir de pessoas e famílias já envolvidas com a instituição e que foram atraindo outras. Hoje já existem as instituições parceiras (como escolas privadas que dão bolsas de estudo); os profissionais parceiros; e a figura dos “anjos da guarda” (ou padrinhos) que se comprometem a contribuir com uma quantia monetária mensal para a instituição. Hoje a instituição conta com 25 “anjos”.

3. Público beneficiário direto comprometido.  Há rigor tanto para a entrada da criança para a instituição quanto para a sua permanência lá, que dura em média 8 anos. Não basta atender apenas aos critérios de renda e vulnerabilidade (de público-alvo), é fundamental identificar o comprometimento da família (mãe, pai ou responsável) no desenvolvimento da criança e no apoio à instituição, e o comprometimento da própria criança. Pois senão os recursos “duramente levantados” pela organização acabam sendo desperdiçados e tendo baixa efetividade.

Atualmente são 5 candidatos por vaga. Se durante a trajetória na instituição, um desses 3 pré-requisitos deixar de existir, a criança atendida “perde a sua bolsa”.

4. Público beneficiário ouvido. São eleitos anualmente os representantes dos diferentes grupos / turmas dos beneficiários e suas famílias. Eles se tornam os porta-vozes das opiniões e demandas desses grupos junto à equipe gestora da organização. Desse modo, passa a haver maior agilidade na solução dos problemas surgidos.

5. Nada pode ser de graça.  Com o passar do tempo, um dos aprendizados foi o de que a cobrança de uma taxa mensal por criança matriculada seria saudável e faria com que a família valorizasse a oportunidade que estava sendo dada ao seu filho(a). Daí porque atualmente há uma cobrança do tipo 20/80, isto é, do custo total mensal com cada criança (valor da “bolsa”) de R$1.200,00, a família arca com 20% (R$ 240,00) e a instituição com os restantes 80%.

6. Trabalho voluntário. Como admitiu a gestora, os voluntários representam o público beneficiário indireto. Uma situação do tipo ganha-ganha: os voluntários ajudam a instituição; mas a instituição também os ajuda.

Atualmente a organização conta como uma equipe de 29 contratados e em torno de 100 voluntários, e procura dar para todos eles uma capacitação e treinamento de qualidade. Sobretudo no caso dos voluntários, que são em geral profissionais jovens e alunos de escolas particulares que, atuando respectivamente no apoio clínico e no reforço escolar / atividades do contraturno. Com isso, eles acabam tendo oportunidade valiosa (para eles próprios) de amadurecimento e aprendizagem.

7. Doações. Conseguir doações que vão ao encontro da “lista de desejos” e necessidades da instituição é outra estratégia adotada. Por exemplo, os bens perecíveis da alimentação das crianças (carne, verduras e frutas) são quase todos doados pelo supermercado e hortifruti parceiros. Há também a doação de computadores, livros para equipar a biblioteca, materiais didáticos,  materiais de construção, ingressos para teatros e eventos culturais infantis, e por ai vai….

8. Mutirão e Campanhas. Envolver as famílias das crianças em mutirão para fazerem as obras de manutenção do prédio da instituição é uma maneira de estimular nelas o sentimento de pertencimento e de co-responsabilidade pela instituição. Outra maneira é envolvê-las também, e aí junto com os voluntários e demais parceiros, no levantamento de fundos para cobrir emergências e/ou  para a realização de passeios, festas e  outros eventos com as crianças. O uso das redes sociais (via whatsapp, ou instagram) têm facilitado bastante a comunicação entre todos.

9. Transparência e confiança. São esses os valores-chave da organização, conforme afirmou a gestora. Embora hoje em dia esses termos tenham se banalizado, tamanho o exagero de sua utilização no campo dos projetos sociais, ela garantiu que na instituição é “pra valer mesmo. Qualquer parceiro tem total liberdade de entrar e sair da instituição a qualquer momento, sem precisar agendar horário. E, de 2015 em diante, passamos a publicar no site o nosso Balanço Social, abrindo todas as informações sobre a organização”.

10. Orçamento enxuto. Se durante o ano surge uma despesa ou investimento que não estava previsto no orçamento, a equipe gestora e o Conselho Consultivo vão se reunir para analisar e decidir qual a rubrica orçamentária será sacrificada em função da eventualidade surgida. Será que realmente vai valer o sacrifício de reduzir ou cortar determinados itens? Ou será melhor levantar esse montante  por meio de campanhas ou buscar doações? O ponto é que o orçamento já é planejado enxuto, e a organização não vai se endividar para depois não ter como pagar e ter que passar a viver em função dessa dívida.

11. Foco. Foi certamente a palavra mais repetida por minha interlocutora. Em todas as ações tomadas, a equipe executora e o Conselho (quando é o caso deste último ser envolvido) procuram mirar sempre no objetivo maior da organização, isto é, na relação entre a ação e os resultados desejados junto ao público-alvo. Vai somar ou vai subtrair? Esse raciocínio de cadeia causal vale para qualquer que seja  a ação, desde uma obra de manutenção do prédio até a criação /alteração dos programas e projetos sociais para a instituição.

Concluindo, são todas  dicas importantes para quem atua no terceiro setor.  E sobretudo se levarmos em conta o seu contexto atual nada favorável no Brasil, ameaçado pela crise do setor público, a debandada dos financiamentos internacionais e a ascensão das iniciativas sociais com o “charme” do retorno econômico.

TAGS
POSTS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

MARIA CECÍLIA PRATES RODRIGUES
Rio de Janeiro - Brasil

Maria Cecília é economista e mestre em economia pela UFMG, e doutora em administração pela FGV /Ebape (RJ). A área social sempre foi o foco de suas pesquisas durante o período em que esteve como pesquisadora na FGV , e depois em seus trabalhos de monitoria, consultoria, pesquisa e voluntariado.

EnglishPortugueseSpanish
EnglishPortugueseSpanish