Toda startup pode ser considerada de impacto social?

Por on 23/07/2021

Matéria recente publicada no jornal Globo dá conta que as startups no Brasil têm crescido muito e atraído  investidores – o que é ótimo. Mostra que o número das startups mais do que dobrou em apenas quatro anos, de 579 (2017) para 1.272 (2021), e que elas já concentram investimentos da ordem de R$ 4 bilhões. Explica que as startups são tidas como “empresas inovadoras, que usam a tecnologia para fazer o bem e resolver problemas coletivos, mas que também geram lucros”.  São  identificadas como “negócios de impacto social” ou “empresas de impacto social”.

Será que toda startup pode ser considerada como empresa de impacto social?

Vou dividir a minha resposta em duas partes: primeiro, a questão conceitual. E segundo, ilustrar com exemplos da própria matéria do Globo.

A questão conceitual

Tomando por base  as reflexões que fui fazendo ao longo do livro que acabei de lançar (Ecossistema das Iniciativas Sociais no Brasil), faço a seguinte distinção entre empresa com propósito e empresa com impacto social, tendo por base a sua razão de ser.

  • Empresa com propósito, ou empresa guiada por propósito é a empresa que visa produzir soluções lucrativas para os problemas das pessoas e do planeta. Em tese, toda empresa (tradicional) tem um propósito, que é a sua razão de ser, é a contribuição que ela pretende dar à sociedade.
  • Empresa com impacto social, ou empresa social, é a empresa que tem como propósito resolver um problema social, que pode ser também ambiental, com o foco específico na redução da pobreza e/ou exclusão social.

Como discuto no livro, na realidade não se pode falar em empresa sem propósito. A julgar pela explicitação do propósito das mais diferentes empresas, me parece que todas as empresas poderiam ser consideradas como de propósito.

O que distingue uma empresa de impacto social de uma empresa tradicional (de propósito)  é a motivação inicial para a sua criação. A empresa de impacto social está voltada para resolver um problema social e ambiental relacionado especificamente a pobreza e vulnerabilidade. Já o foco da empresa tradicional é solucionar problemas sociais e ambientais no geral, aproveitando uma oportunidade de mercado. Ambas, porém, devem ser lucrativas, requisito fundamental para garantir a sua sustentabilidade financeira.

Um exemplo (que foi dado pelo Sebrae) ilustra bem essa diferença. Suponha uma empresa de energia solar em uma comunidade rural isolada no Pará, sem acesso à energia elétrica (caso 1). E suponha outra empresa também de energia solar em um bairro nobre do Rio de Janeiro (caso 2). O caso 1 é nitidamente de uma empresa social, voltada para solucionar um problema social; já o caso 2 é de uma empresa tradicional que está aproveitando uma oportunidade de mercado. Evidentemente, ambas são empresas que têm como propósito o bem da sociedade /coletividade.

Os casos de startups

Startup pode ser definida como a “empresa em fase inicial, que possui uma proposta de negócio inovadora, com um grande potencial de crescimento (escalabilidade), que pode atuar em qualquer área ou tipo de mercado, e que normalmente utiliza a tecnologia como base para suas operações”.

A referida matéria do Globo cita alguns casos de startups que podem ilustrar essa discussão sobre startup (tradicional) e startup com impacto social. Senão, vejamos.

  • A Govedesenvolveu uma plataforma para apoiar a gestão financeira das prefeituras, contribuindo para as finanças públicas dos municípios, “a partir do tratamento da montanha de dados e estatísticas disponíveis nas contas municipais”.  É o que se pode chamar de uma govtech.
  • A Um grau e meio é uma startup que desenvolveu um software que detecta de maneira automática incêndios em plantações, florestas e áreas de proteção ambiental. O sistema é composto por câmeras de alta resolução instaladas em topos de torres de comunicação com alcance 360º de visão. É uma agtech. No Brasil, ela tem como clientes a International Paper, multinacional da área de celulose, e a Suzano, maior empresa nacional do ramo. “Nas empresas onde instalamos as torres, houve queda de 90% de área queimada”, afirma o seu fundador.     
  • A Magnamed é especializada em ventilação pulmonar, seja na linha de UTI ou Transporte e Emergência. Atua na área de critical care, desenvolvendo equipamentos que facilitam a rotina complexa de seus clientes. É uma healthtech. Com a pandemia da Covid-19, a startup conseguiu triplicar a sua produção mensal de ventiladores pulmonares em apenas 1 ano, passando de 200 (2019) para 600 (2020).
  • A LookforMe  tem como propósito desenvolver ferramentas que auxiliem o cumprimento do direito fundamental à educação inclusiva da pessoa com deficiência visual. “Ajuda pessoas com deficiência visual a ouvirem o que está escrito no quadro-negro de uma sala de aula, ou em uma apresentação virtual exibida numa videoconferência, em tempo real”. Há dois meses ela foi selecionada pelo programa da ‘ Microsoft para Startups` para desenvolver serviços de armazenamento e inteligência artificial.

 Pode-se dizer que as três primeiras startups  (Gov, Um grau e meio e Magnamed) vendem produtos e serviços para o governo ou grandes empresas como qualquer empresa e/ou consultoria tradicional. Do ponto de vista do propósito e da clientela atendida, atuam do mesmo modo como por exemplo se destacavam, nas décadas 1950-70, as empresas de engenharia de construção de estradas, as empresas petroleiras, as empresas de equipamentos hospitalares, e as empresas de consultoria em geral. Todas elas têm como objetivo contribuir para o bem-estar coletivo. O que diferencia essas empresas de 50 anos atrás e as startups é, sobretudo, o modo de operarem – as startups têm gestão enxuta e são centradas no uso da tecnologia da informação.

Diferente das anteriores, a  LookforMe  tem, ou tinha (até a parceria com a Microsoft!), no seu cerne o propósito de solucionar um problema social de exclusão provocado por deficiência visual.  Ademais, se a atuação da startup vier a incluir igualmente parcerias com escolas públicas e privadas, o seu poder de inclusão tenderá a ser ainda maior, pois vai viabilizar o acesso à ferramenta (auditiva) àqueles que ficariam de fora. pelo fator renda. Assim, acredito que a startup LokkforMe pode ter impacto social positivo, na medida em que busca solucionar problemas de exclusão e pobreza.

Falando da LookforMe, me recordo do meu sobrinho que já nasceu com deficiência auditiva. Hoje ele tem 35 anos, é engenheiro, casado, e leva vida totalmente ativa e normal. Mas, para isso, dentre outras medidas, os pais dele tiveram que custear aparelhos auditivos, sempre de última geração e a preço de ouro! Poucos jovens no Brasil com deficiência auditiva têm essa oportunidade.

Enfim, dos casos comentados na reportagem, praticamente todos são de startups com propósito, isto é, que visam dar uma contribuição à sociedade e ao planeta. Apenas uma (a LookforMe), foi desenhada para ser uma startup de impacto social. O ponto a destacar  é que atualmente tende a se usar indiscriminadamente (e erroneamente!) o termo “impacto social” para tudo – seja empresas ou startups. O termo se banalizou.

Hoje em dia toda startup que nasce já traz, na ponta da língua, a sua narrativa de impacto social. Embora desde o início não seja essa a sua intenção. Considero importante o uso correto do termo ‘impacto social`. Não por mero preciosismo de terminologia.  Mas porque muito possivelmente as startups, e também as empresas, que forem (realmente) de impacto social tenderão a ter mais dificuldades para captação de recursos, porque lidam com realidades menos charmosas, mais difíceis e com menor potencial de gerar retorno econômico.  Essas, sim, precisarão contar com maior apoio e paciência dos investidores.

TAGS
POSTS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

MARIA CECÍLIA PRATES RODRIGUES
Rio de Janeiro - Brasil

Maria Cecília é economista e mestre em economia pela UFMG, e doutora em administração pela FGV /Ebape (RJ). A área social sempre foi o foco de suas pesquisas durante o período em que esteve como pesquisadora na FGV , e depois em seus trabalhos de monitoria, consultoria, pesquisa e voluntariado.

EnglishPortugueseSpanish
EnglishPortugueseSpanish